quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

ADVENTO . Bendita és tu entre as mulheres



«Conta o evangelista S. Lucas: «Por aqueles dias, Maria pôs-se a caminho e dirigiu-se à pressa para a montanha, a uma cidade da Judeia. Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou-lhe de alegria no seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Então, erguendo a voz, exclamou: "Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. E donde me é dado que venha ter comigo a mãe do meu Senhor? Pois, logo que chegou aos meus ouvidos a tua saudação, o menino saltou de alegria no meu seio. Feliz de ti que acreditaste, porque se vai cumprir tudo o que te foi dito da parte do Senhor."» (Lc 1, 39-45).»

Li aqui

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

ADVENTO — Caminhos de procura e esperança


Advento

É uma multitude de caminhos
de procura e esperança
para percorrer em ritmo ligeiro
seguindo as pegadas:
de Abraão, nosso pai na fé,
de Jacob, apaixonado, astuto e tenaz,
de Moisés, conhecedor de desertos e guia do seu povo,
de Isaías, profeta e cantor de um mundo novo,
de Jeremias, sensível aos sinais dos tempos,
de João Batista, o precursor humilde e consciente,
de José, um enraizado e com a vida alterada,
de Maria, crente e grávida,
e com olhos fixos em quem vai nascer
em qualquer lugar e circunstância.

Ler mais aqui 

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Festa de Natal da Catequese




Advento

Nem medo nem recusa perturbaram
A graça que em Ti cumpre a sua obra:
Ofereceste a Deus aquele silêncio,
Onde habita a Palavra.

Em Ti desponta a aurora da justiça,
O mistério do reino que há-de vir;
A sombra do Espírito que desce
Teu coração preserva.

Por Ti, Maria, Mãe imaculada,
Ao Céu se eleve o nosso humilde canto:
Louvor e glória a Deus três vezes santo,
Por toda a eternidade.

Liturgia das Horas

domingo, 10 de dezembro de 2017

MAGNIFICAT



1. A minha alma glorifica o Senhor
e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.

2. Porque pôs os olhos na humildade da sua serva:
de hoje em diante me chamarão bem-aventurada
todas as gerações.

3. O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas:
Santo é o seu nome.

4. A sua misericórdia se estende de geração em geração
sobre aqueles que O temem.

5. Manifestou o poder do seu braço
e dispersou os soberbos.

6. Derrubou os poderosos de seus tronos
e exaltou os humildes.

7. Aos famintos encheu de bens
e aos ricos despediu de mãos vazias.

8. Acolheu a Israel, seu servo,
lembrado da sua misericórdia,

9. como tinha prometido a nossos pais,
a Abraão e à sua descendência para sempre.

sábado, 9 de dezembro de 2017

O NATAL NÃO É ORNAMENTO

Magos a caminho. Eles sabem que o Menino está a chegar

O Natal não é ornamento


O Natal não é ornamento: é fermento
É um impulso divino que irrompe pelo interior da história
Uma expectativa de semente lançada
Um alvoroço que nos acorda 
para a dicção surpreendente que Deus faz
da nossa humanidade

O Natal não é ornamento: é fermento
Dentro de nós recria, amplia, expande

O Natal não se confunde com o tráfico sonolento dos símbolos
nem se deixa aprisionar ao consumismo sonoro de ocasião
A simplicidade que nos propõe
não é o simplismo ágil das frases-feitas

Os gestos que melhor o desenham
não são os da coreografia previsível das convenções

O Natal não é ornamento: é movimento
Teremos sempre de caminhar para o encontrar!

Entre a noite e o dia
Entre a tarefa e o dom
Entre o nosso conhecimento e o nosso desejo
Entre a palavra e o silêncio que buscamos
Uma estrela nos guiará

José Tolentino Mendonça

NOTA: Presépio montado pelo Pedro sacristão.

Bagão Félix assume a importância da sua fé

No passado dia 6, na “Grande Entrevista” da RTP, de Vítor Gonçalves, António Bagão Félix afirmou: “Eu não sei se Deus existe ou não existe, mas vivo no pressuposto de que Deus existe.”
Como reconhecido cristão e católico, Bagão Félix falou sobre a sua fé, dizendo que ela assume uma dimensão muito importante na sua vida e que tem necessidade que ela exista, para explicar porque é que está aqui e qual o sentido da sua vida.
A certa, altura Bagão Félix disse também que a sua fé é estruturada na dúvida e não na certeza, pois se estivesse certo não estaria a ter fé.
Neste tempo de Advento, todos nós renovamos a nossa fé em Cristo, que nasce novamente nos nossos corações, mas não devemos ter receio de ter dúvidas, nem as devemos reprimir, pois o que é a fé sem a existência da dúvida?
Procuremos, durante o Advento, ser mais introspetivos de modo a prepararmo-nos para acolher Jesus Cristo.

José Miguel Nunes Rocha

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Provérbios para o serão de Natal

O nosso  presépio 

Ande o frio por onde andar, há-de vir pelo Natal.
De Todos-os-Santos ao Natal, bom é chover e melhor nevar.
Natal à 2.ª feira, lavrador larga a eira.
Do Natal a Santa Luzia, cresce a noite e mingua o dia.
Dos Santos ao Natal, é Inverno natural.
Mal vai Portugal se não há três cheias antes do Natal.
Não há ano afinal que não tenha o seu Natal.
No dia de Natal têm os dias bico de pardal.
No Natal semeia o teu alhal se o quiseres cabeçudo pelo Entrudo.
Pelo natal se houver luar, senta-te ao lar; se houver escuro, semeia tudo.
Pelo Natal, cada ovelha no seu curral.
Pelo Natal, neve no monte, água na ponte.
Pelo Natal, sachar o faval.
Pelo Natal, tenha o alho bico de pardal.
Quem quer bom ervilhal semeia antes do Natal.
Quem varejar antes do Natal, deixa o azeite no olival.
Se te queres livrar de um catarral, come uma laranja antes do Natal.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

FERNANDO MARTINS — NATAL DA ESPERANÇA

Presépio de Carlos Matos 

1.Disposição do espírito que induz a esperar
que uma coisa se há de realizar ou suceder.
2. Expectativa.
3. Coisa que se espera.
4. Confiança.
5. Religião: Uma das virtudes teologais.

Dos dicionários



1. Para os cristãos, a esperança é mola real da fé, que Deus não deixará de oferecer aos homens e mulheres de boa vontade. Predispondo-se a recebê-la, cada um dos que buscam o Todo-Poderoso precisa de cultivar o dom da espera, que também é, ano após ano repetido por esta altura, uma excelente ocasião que a Igreja nos proporciona para revivermos a esperança alguma vez já experienciada. Daí a beleza da quadra natalícia que atravessamos e que nos faz sentir que a meta esperada está à porta do presépio de Belém, onde a humildade humanizada nos aproxima indelevelmente uns dos outros.
A esperança, a tal disposição do espírito que nos induz a esperar que uma coisa se há de realizar ou suceder, não é atitude espontânea e passiva. Muito menos inata. Ela precisa de ser aprendida e cultivada, educada e alimentada, para se tornar paciente e consciente de que Aquele que há de vir se sinta bem em nós e connosco, alargando-se ao mundo inteiro, como reflexo da Estrela de Belém que a todos ilumina e aquece.

2. A expectativa de quem sonha um mundo novo, assente n’Aquele que é Caminho, Verdade e Vida, pode gerar a alegria que só nos enriquece. O saber que Jesus Cristo vem a caminho e ao nosso encontro, para secar lágrimas, acalentar sonhos de paz e ensinar fraternidade, mais valorizará a expectativa que nos envolve e nos entusiasma neste Advento. Tanto mais, quanto é certo que o mundo perdeu o Norte da justiça e teima em não encontrar caminhos de paz e de amor solidário, onde todos os filhos de Deus se comportem como tal, não havendo lugar para a mentira e para a morte de projetos de vida.
A expectativa que nos anima, que é certeza da alegria que vem com hinos de glória ao Deus-Menino, dá-nos vitalidade e coragem para lutar, com as armas da bondade e da compaixão, pelo Reino de Deus que pode estar, se quisermos, ao alcance de toda a gente que labuta na terra que nasceu a partir do paraíso.

3. A coisa que vivamente esperamos não é objeto que se use e deite fora, mas é Pessoa Divina, que perdura para além do tempo e do espaço. É Redentor de todos os homens, dando-lhes capacidade de multiplicação, de construção de uma nova humanidade. Mas ainda inteligência para penetrar nos segredos das ciências e do universo, vencendo barreiras até há pouco inultrapassáveis, perspetivando-se largas hipóteses de se atingirem metas nunca dantes imaginadas e de projetos impossíveis de conceber.
A Pessoa Divina, que há mais de dois mil anos se fez homem num ambiente tão humilde, ensinou-nos que a grandeza da pessoa não está no seu poder económico, político ou social, mas tão-só na sua capacidade e coragem para amar os feridos da vida, os excluídos por uma sociedade tantas vezes sem rosto nem alma.

4. A confiança, outro nome da esperança, tem de ocupar um lugar certo no coração dos homens e mulheres do nosso tempo. Confiança nos que nos rodeiam e connosco seguem os trilhos da vida. Confiança nas verdades que nos revelaram e que nos conduzem ao seio de Deus. Confiança nas palavras honradas dos que nos educaram e nos ensinaram que a verdade liberta. Confiança na ternura das crianças que ajudamos a caminhar nas estradas do bem e do belo. Confiança nos que pregam o respeito pela natureza e em todos os que os seguem. Confiança nas promessas da Igreja que nos acolhe. Confiança na vinda de Cristo, com toda a sua glória.

5. Segundo o Catecismo da Igreja Católica, “Quando Deus Se revela e chama o homem, este não pode responder plenamente ao amor divino por suas próprias forças. Deve esperar que Deus lhe dará a capacidade de, por sua vez, O amar e de agir de acordo com os mandamentos da caridade. A esperança é a expectativa confiante da bênção divina e da visão beatífica de Deus; é também o receio de ofender o amor de Deus e de provocar o castigo”.
A expectativa confiante da visão beatífica de Deus conduz-nos, por ofertas pedagógicas da Igreja, Mãe e Mestra, repetidas constantemente, a vivências enriquecedoras que nos abrem à aceitação da verdade plena. O Deus-Menino está a chegar ao estábulo de Belém para entrar no mundo. Importa que entre também no nosso coração. A visão beatífica de Deus começa aí.

Fernando Martins

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

O MENINO E SUA MÃE

Nossa Senhora e o Menino de Masaccio,
pintor italiano, séc.XV

O MENINO E SUA MÃE 


Vi há tempos um quadro feito por mão inspirada:
Os traços eram perfeitos
do Menino Jesus e sua Mãe.
Causava enlevo, fazia ternura,
o olhar que se desprendia de Nossa Senhora,
Que tinha seguro nos braços o seu Menino.

Este deixava ver bem
Seu grande afecto, Sua divina paixão
por Aquela que tão estreito
o trazia ao peito:
A cabecita de encontro, bem encostada,
entre a face e o ombro de Sua Mãe
e a carita de criança voltada para nós…

Mais que tudo, porém, impressionou-me o ar,
o ar de desafio, cheio de divina meiguice
um ar (Deus me perdoe!) quase gaiato
que parecia dizer a quantos o quisessem entender:
“É minha, só minha a Virgem Maria!”
De tão estreito e apertado que cingia com os bracitos
Nossa Senhora…

Confesso que estranhei,
por me ver quase defraudado por esta divina avareza.
Mas no olhar sorridente da Virgem bondosa
li logo a resposta, a bonança que me vinha:
“Deixa-O, meu filho, são primeiros tempos
que goza a novidade de ter… Mãe:
Eterno que é, só isto Lhe faltava, no céu…

Não tarda que no Calvário te dê a Sua vida
(pouca coisa para Ele!) e o que é mais ainda:
que te dê Sua Mãe, tua Santa Maria”.

In “Livro de Ritmos” de Cardeal Alexandre do Nascimento

O sentido da partilha visto por crianças da catequese - 3





Mais duas mensagens de outras tantas crianças da catequese,  sobre o tema Partilhar,  elaboradas no  grupo da catequista Margarida Fernandes. Este foi um trabalho de sensibilização levado a cabo pela Margarida, estando bem patente que as crianças, com toda a sua sensibilidade e ternura, aprenderam a lição. Oxalá este espírito de Natal as/nos acompanhe toda a vida. No Natal e para além dele.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Pedro Homem de Mello — Velha Mesa


Velha Mesa

Pai e Mãe.
À cabeceira,
Nosso Avô e nossa Avó…
Perto, o calor da lareira,
Que não deixa ninguém só.
E a história daquela mesa,
De ano a ano, repetida,
Lembra uma lanterna acesa,
Que alumia toda a vida!

Pedro Homem de Mello
Natal de 1959

Publicado na Agenda-Almanaque 
de Olegário Fernandes Artes Gráficas, S.A.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Maria João Ruela no auditório paroquial da Gafanha da Nazaré


David Mourão-Ferreira: Voto de Natal




Voto de Natal

Acenda-se de novo o Presépio no Mundo!
Acenda-se Jesus nos olhos dos meninos!
Como quem na corrida entrega o testemunho,
passo agora o Natal para as mãos dos meus filhos.

E a corrida que siga, o facho não se apague!
Eu aperto no peito uma rosa de cinza.
Dai-me o brando calor da vossa ingenuidade,
para sentir no peito a rosa reflorida!

Filhos, as vossas mãos! E a solidão estremece,
como a casca do ovo ao latejar-lhe vida...
Mas a noite infinita enfrenta a vida breve:
dentro de mim não sei qual é que se eterniza.

Extinga-se o rumor, dissipem-se os fantasmas!
O calor destas mãos nos meus dedos tão frios?
Acende-se de novo o Presépio nas almas.
Acende-se Jesus nos olhos dos meus filhos.


David Mourão-Ferreira, 
in 'Cancioneiro de Natal'

domingo, 3 de dezembro de 2017

Fátima XXI - último número

A revista "Fátima XXI, que hoje publicou o seu último número, 
apresenta entrevistas a D. António Marto e Eduardo Lourenço



«O Santuário de Fátima apresentou hoje o oitavo e último número da revista ‘Fátima XXI’, procurando, segundo o seu diretor-adjunto, apresentar uma “paisagem cultural que interessa a crentes e a não-crentes”.“Esse mosaico multicolor não tem apenas significado para os crentes”, realçou Marco Daniel Duarte, que interveio durante a jornada de abertura do novo ano pastoral do Santuário de Fátima.»

Ler mais aqui 

CRISTO, PALAVRA DE DEUS



CRISTO,
PALAVRA DE DEUS

Antes de o mundo ser mundo,
aquele que é a Palavra já existia.
Ele estava com Deus
e ele mesmo era Deus.
Desde sempre ele esteve com Deus.
Todas as coisas foram feitas por meio dele,
e sem ele nada foi criado.
Nele estava a vida,
e essa vida era a luz dos homens.
A luz brilha nas trevas
e as trevas não a venceram.

Só aquele que é a Palavra
era a luz verdadeira,
que alumia toda a humanidade,
luz que apareceu neste mundo.
Ele veio realmente ao mundo,
mas o mundo não o reconheceu,
apesar de ter sido criado por meio dele.
Veio para o seu próprio povo,
que não o quis receber.
Mas àqueles que o receberam
e acreditaram nele
deu o privilégio de se tornarem
filhos de Deus.

Adaptado do Evangelho de São João


O sentido da partilha visto por crianças da catequese - 2




Hoje é a vez de mostrar os trabalhos da Inês e do João sobre o sentido da partilha que todos temos a obrigação de pôr em prática. Entre as várias ideias, destaco duas: A Inês defende que temos de brincar com os colegas que estão tristes e o João lembra que podemos partilhar o nosso sorriso. Ainda dizem outras formas de partilhar. E, afinal, cada pessoa terá a sua ideia. Bom Natal para todos.

sábado, 2 de dezembro de 2017

Papa apela ao diálogo e aos refugiados



«O Papa Francisco encerrou hoje a sua visita ao Bangladesh, iniciada na quinta-feira, regressando ao Vaticano após vários gestos e intervenções dedicados ao diálogo inter-religioso e ao acolhimento dos refugiados ‘rohingya’.
Logo no seu primeiro discurso no Bangladesh, o pontífice chamou a atenção para a “grave crise” dos refugiados vindos de Mianmar, em particular do Estado de Rakhine.
“É necessário que a comunidade internacional implemente medidas resolutivas face a esta grave crise, não só trabalhando por resolver as questões políticas que levaram à massiva deslocação de pessoas, mas também prestando imediata assistência material ao Bangladesh no seu esforço por responder eficazmente às urgentes carências humanas”, disse, no Palácio Presidencial de Daca.»

Ler mais na Agência Ecclesia

NESTE NATAL

Ao olhar a Árvore de Natal que envolve o Menino, em muitas casas, recordo hoje um poema, de autor anónimo, publicado na revista XIS, em 2003, de que era directora Laurinda Alves. Penso que nos oferece um conjunto de propostas para vivermos a quadra natalícia, imbuída de nobres sentimentos de fraternidade. Diz assim:

Neste Natal


Neste Natal quero armar uma árvore
dentro do meu coração.
E nela pendurar, em vez de presentes,
Os nomes de todos os meus amigos.
Os amigos antigos e os mais recentes.
Os amigos de longe e os amigos de perto.
Os que vejo em cada dia
e os que raramente encontro.
Os sempre lembrados
e os que às vezes ficam esquecidos.
Os das horas difíceis e os das horas alegres.
Os que sem querer eu magoei
ou sem querer me magoaram.
Os meus amigos humildes
e os meus amigos importantes.
Os nomes de todos os que já passaram pela minha vida.
Muito especialmente aqueles que já partiram
e de quem me lembro com tanta saudade.
Que o Natal permaneça vivo em cada dia do ano novo.
E que a nossa amizade seja sempre uma fonte de luz e paz
em todas as lutas da vida.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

ENTREMOS NA CORRENTE


Diz-nos o Papa Francisco: “O Advento é um tempo de preparação para o Natal e um convite a deixarmo-nos surpreender por Deus e a não depender das “nossas seguranças”. Somos chamados a ampliar o horizonte do nosso coração e a deixarmo-nos surpreender pela vida que se apresenta em cada dia com as suas novidades. O Senhor convida-nos à sobriedade, a não nos deixarmos dominar pelas coisas do mundo, pelas realidades materiais, mas sim a governá-las”. 
Um dos temas mais sugestivos do Advento é a visita do Senhor à humanidade. Neste sentido, lanço um desafio a todos os crentes da Gafanha da Nazaré, aqui residentes ou no estrangeiro, aos nossos doentes, aos mais débeis, aos que vivem em maior solidão... O Senhor a todos quer visitar. Por isso, libertemos as amarras da nossa embarcação e, sem nos deixarmos encalhar nos baixios do materialismo, do egoísmo ou da tristeza, mas entrando na corrente, desfraldando as velas insufladas pela força do Espírito que o Menino Deus nos dá, rumemos em direção ao amor solidário, à partilha e ao espírito de família que este tempo nos sugere. 

Padre César

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

O sentido de partilha visto por crianças da catequese

.


Uma mensagem via Messenger, da catequista Margarida Fernandes, dava-nos conta de uma experiência pedagógica no âmbito da Catequese Paroquial, cujos resultados teve a gentileza de nos remeter. Dizia ela que se havia apaixonado por Jesus, tentando depois levar as crianças do 4.º ano a manifestarem o  seu amor a Jesus e o sentido da partilha,  junto do sacrário. Convidou-os, por isso, a falarem com Jesus, em silêncio, sobre o tema proposto — PARTILHAR. E daí, escreveram e ilustraram a seu jeito o que lhes ia na alma. «Confesso que fiquei com uma lágrima ao canto do olho», garantiu-nos a Margarida. E nós compreendemos. 
Hoje publicamos o trabalho de um catequizando. Durante o Advento, outros se seguirão.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Dizeres de um gafanhão — Abusacar


Boa noite, espero que tenham tido uma boa semana.
Esta semana, a palavra escolhida é uma palavra que não existe no dicionário da Língua Portuguesa. Mesmo depois de uma breve pesquisa, não consegui descobrir a sua origem nem qualquer palavra semelhante.
A palavra escolhida é "Abusacar" e na gíria tipicamente gafanhoa significa "sentar-se de forma refastelada".
Quando se pretendia convidar alguém a sentar-se dizia-se:
"Abusaca-te aí pá!"
ou em tom reprovador:
"Estás sempre abusacado, não fazes nada!"
Por isso, esta semana, aproveitem a dica para convidar alguns amigos a abusacarem-se à volta de uma mesa e passar um bom bocado!

José Miguel Nunes Bola

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Advento e Natal — Blogue aberto à colaboração de todos

Neste Advento e até ao Natal de Jesus, o nosso blogue vai estar aberto à colaboração de todos os nossos amigos, uma experiência de partilha de vivências, sonhos, projetos e anseios com raízes de um futuro melhor, alicerçado na ternura do Menino-Deus. Poesia, contos, ensaios, fotografias, recordações e tudo o mais que nos leve a sentir que vale a pena o nosso encontro com todos e com Deus. Estou certo de que, na vida agitada que levamos, teremos ainda tempo, se quisermos, de partilhar sentimentos, emoções e alegrias, com a arte que guardamos nos nossos corações e nas nossas memórias.
Ficamos a aguardar. 
FM 

sábado, 25 de novembro de 2017

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Informações Paroquiais de 26 de novembro a 3 de dezembro


1 – Domingo, reunião do Apostolado da Oração, às 15:00 Horas, na Biblioteca da Igreja Matriz.

2 – Reunião para Ministros Extraordinários da Comunhão e Visitadores de Doentes, quinta-feira, às 19:30, na Biblioteca da Igreja Matriz.

3 – Estamos a preparar o nosso tradicional Cortejo dos Reis, com uma primeira reunião para todas as pessoas interessadas e disponíveis em participar nos autos do cortejo, quinta-feira, às 21:00 Horas, no Auditório Priores da Gafanha da Nazaré.

4 – Reunião de preparação para os Batismos, quinta-feira, às 21:00 Horas, na Igreja Matriz.

5 – Sexta-feira, dia 01 de Dezembro, feriado nacional, não haverá a Eucaristia das 19:00 Horas, na Igreja Matriz

6 – A Pastoral Juvenil da Paróquia da Gafanha da Nazaré vai organizar o “Natal Jovem” para os catequizandos do 9.º ao 12.º anos, com tempos de convívio, trabalho e vigília de oração, nos dias 1 e 2 de Dezembro. As inscrições serão junto dos respetivos catequistas.

7 – Celebração da Luz para os catequizandos do 3º ano de catequese, seus pais, padrinhos e demais familiares, sábado, dia 02 de Dezembro, às 20:30 na Igreja Matriz.

8 – Integrado no plano diocesano de pastoral dedicado à pobreza/caridade, todas as paróquias do Arciprestado estão a realizar um diagnóstico das várias formas de pobreza existentes entre nós. Assim, no final da Eucaristia, receberemos um inquérito que, depois de refletir, preencheremos e entregaremos nos cestos das ofertas do próximo fim-de-semana.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A Conferência Episcopal Portuguesa tem nova sede


Conferência Episcopal Portuguesa
Quinta do Bom Pastor
Estrada da Buraca, 8-12
1549-025 LISBOA
Tel. 218 855 460

A CEP tem nova sede no endereço em epígrafe. Trata-se de um espaço com site formativo e informativo, que pode e deve ser visitado a qualquer momento, por todos os que desejam saber o que há de importante ao nível da Igreja Católica portuguesa, mas não só.
Passe por lá quando quiser a partir de agora.

Concerto de Natal da Banda Filarmónica Gafanhense




A Filarmónica Gafanhense vai realizar, no próximo dia 16 de dezembro, pelas 21h30, o tradicional Concerto de Natal, na Igreja Matriz da Gafanha da Nazaré. São convidados todos os amigos da banda, bem como os amantes da cultura e da arte musical, mas ainda os apreciadores das melodias natalícias.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Nova mordomia para a festa da nossa Padroeira

Nossa Senhora da Nazaré
Mordomia
Tomada de posse do juiz


Juiz com três mordomas
No passado domingo, no final da Eucaristia das 11h15, deu-se a apresentação e tomada de posse da Mordomia para a festa em hora da Nossa Senhora da Nazaré, que se realizará no mês de agosto do próximo ano.
A direção da Mordomia é encabeçada por Nuno Bola, na qualidade de juiz, que tem como secretária Rosa das Neves e como tesoureiro Pedro Ferreira. Toda a equipa é composta por 22 elementos.
Quando questionado acerca das motivações para criar a Mordomia para o ano de 2018, Nuno Bola respondeu que a principal motivação foi o facto de não se ter conseguido formar uma mordomia para a festa deste ano, adiantando que a equipa agora formada tem gente nova, contando com os membros que já fizeram parte de anteriores mordomias. Referiu que se pretendeu renovar a festa em honra da Nossa Senhora da Nazaré, com o objetivo de apresentar ideias novas.
Relativamente aos objetivos que se propõe cumprir, o juiz afirmou que a Mordomia tem vários, que passam por conseguir fazer uma festa que reúna toda a comunidade e que satisfaça todos os gafanhões, criando sustentabilidade, para que não volte a acontecer a inexistência de mordomos, porque é preciso dignificar a nossa Padroeira.
No que diz respeito ao tipo de festividade que esta Mordomia pretende organizar, Nuno Bola frisou que urge criar sintonia entre a parte religiosa e a parte profana, acrescentando que a festa em honra da Padroeira tem a componente religiosa, com Eucaristia e Procissão, mas também um programa profano. Reiterou que a Mordomia irá organizar uma festa que chegue a todos os gafanhões de diferentes faixas etárias, dando primazia aos grupos, associações e coletividades da nossa cidade, para que tudo seja organizada por gafanhões para os gafanhões.
Quando questionado acerca do modo como conseguirão angariar os fundos necessários, respondeu que não haverá tantos peditórios de rua como tem sido habitual, pelo que serão dinamizados convívios durante os próximos meses. Lembrou que querem cativar a população em torno da organização, para que os gafanhões sintam que contribuíram, de várias formas, para a festa da nossa Padroeira.
Uma das novidades, já adiantadas, será o merchandising, como t-shirts, bonés, e outros objetos desse género, alusivos à festa. Nuno Bola ainda realçou que defende um clima de abertura e recetividade a ideias que surjam fora da Mordomia e, para tal, pede que lhas façam chegar para serem debatidas.
O nosso prior, Padre César, dirigiu algumas palavras à assembleia, pedindo colaboração por parte da comunidade cristã, para que a Mordomia venha a ter sucesso no cumprimento das suas funções. Chamou a atenção para os tempos difíceis nos quais todos vivemos, pelo que as contribuições deverão ser em função das possibilidades de cada um. E aos mordomos pediu que não houvesse gastos excessivos, motivados por vaidades. Apelou também ao aproveitamento do Jardim 31 de Agosto, que tem muito potencial e que, no seu entender, se encontra francamente subaproveitado.

José Miguel Nunes Rocha

domingo, 19 de novembro de 2017

Património – Igreja Matriz (1)


São Pedro, Santo António, São João e Sagrado Coração de Jesus


São Tomé, Mártir São Sebastião, Nossa Senhora da Conceição e Menino Jesus de Praga

Tenho para mim que muitos gafanhões não conhecem grande parte do património da nossa comunidade paroquial. Sem grandes explicações, hoje dou início a uma rubrica com o título em epígrafe, no sentido de divulgar o que nem sempre se vê quando se vai à igreja. Estas imagens tiveram o seu espaço próprio no corpo do templo, numa época em que o culto dos santos estava enraizado na fé de muita gente. Presentemente, estão numa sala, no lado esquerdo da igreja.

FM

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Informações Paroquiais de 19 até 26 de novembro de 2017


1 – Domingo, haverá uma assembleia geral de agentes da ação sócio caritativa, seguida de Eucaristia com o Padre João Gonçalves, às 15:00 Horas no Santuário de Schoenstatt. Convidam-se todos os Ministros Extraordinários da Comunhão, Visitadores de Doentes, todos os elementos das Cáritas paroquiais e demais pessoas ligadas aos mais pobres e doentes.

2 – Reunião para todos os pais e encarregados de educação da Catequese para apresentação da Caminhada do Advento:
Do 1º ao 6º ano, terça-feira e do 7º ao 12º ano, quarta-feira.
As reuniões serão às 21:00 Horas, no Auditório Mãe do Redentor, na Igreja Matriz.

3 – A Pastoral Juvenil da Paróquia da Gafanha da Nazaré vai organizar o “Natal Jovem” para os catequizandos do 9.º ao 12.º Anos no Centro de Recursos Mãe do Redentor e no Lar de N. Sra. da Nazaré, nos dias 1 e 2 de dezembro. As inscrições serão junto dos respetivos catequistas.

4 – O Seminário de Santa Joana vai organizar uma noite de Teatro com a peça “Gira para o inferno” baseada no Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente, pelo grupo Gólgota, no próximo sábado, dia 25 de Novembro, no Auditório do Seminário às 21:30. Para ajudar o nosso Seminário podemos adquirir os bilhetes no Cartório Paroquial.

5 – O movimento de Schoenstatt está a organizar um retiro de Advento no dia 01 de Dezembro das 14:30 às 18:00 Horas, com o tema: “A Visita do Senhor à Humanidade”. Os interessados podem inscrever-se no Cartório Paroquial.